INTRANET  |   WEBMAIL (Zimbra / Google)  |  

EMU Microscópio de Infravermelho Acoplado ao Potenciostato/Galvanostato

1) Plano de Gestão e Compartilhamento de Uso do Equipamento

O Plano de Gestão e Compartilhamento de Uso do EMU tem como objetivo a racionalização do tempo e uso do equipamento, procurando atender a demanda qualificada. Este equipamento encontra-se instalado no Laboratório de Dispositivos Térreo do IQSC-USP.

2) Comissões

2.1) Comissão Gestora

Coordenador: Prof. Dr. Frank Nelson Crespilho (IQSC – Projeto Temático FAPESP)

Prof. Dr. Fábio Henrique Barros de Lima (IQSC-USP)

Prof. Dr. Flávio Leandro de Souza (Membro externo: UFABC)

2.2) Comissão de Usuários

Coordenador: Prof. Dr. Daniel Cardoso (IQSC-USP)

Prof. Dr. Sydney Ferreira Santos (UFABC)

Prof. Dr. Luciano Caseli (Unifesp)

3) Normas de utilização

3.1. O equipamento Microscópio de Infravermelho Acoplado ao Potenciostato/Galvanostato está instalado em uma sala limpa de micromanipulação, no laboratório de Bioeletroquímica e Interfaces, com ambiente (umidade, poeira, etc.) controlado.

3.2. Usuários que tenham interesse em utilizar o equipamento, sejam do IQSC ou de qualquer outra instituição, deverão submeter ao comitê gestor, via e-mail com o formulário disponível online para francrespilho@iqsc.usp.br. Neste deve constar plano de trabalho conciso contendo os principais objetivos do experimento e justificativas da necessidade do uso do equipamento, bem como as informações sobre as substâncias a serem manipuladas.

3.3. O pedido será analisado pelo comitê gestor, que pode negar o acesso caso haja incompatibilidade do experimento a ser realizado com o ambiente da sala, ou caso o experimento possa ser realizado por equipamento convencional. O agendamento será mensal, mediante preenchimento de formulário específico, priorizando-se os Projetos Associados e Complementares desta solicitação.

3.4. As análises serão realizadas pelo técnico responsável ou por operadores devidamente treinados. A cobrança será feita através de uma das fundações associada à USP-São Carlos, sendo que taxas diferenciadas para as solicitações provenientes de fora da área acadêmica e externos ao IQSC/USP podem ser aplicadas. Em média, será cobrado R$ 135,00 por hora de operação, caso a análise seja feita em substrato padrão e utilizando os detectores FPA. Um mínimo de 4 horas é necessário para preparar o equipamento para as análises. Esse valor pode ser alterado, podendo um adicional ser necessário para cobrir os gastos com substratos de ouro, fluoreto de cálcio e nitrogênio líquido.

3.5. Os trabalhos a serem publicados, bem como, teses, dissertações e monografias deverão mencionar o Projeto Temático FAPESP número 2013/14262-7 e o Instituto de Química de São Carlos (IQSC-USP).